domingo, 29 de outubro de 2017

Trigo, Professor de Jornalismo, Compartilha Momentos com Alunos #10

Professor Doutor, José Alves Trigo, 57, lecionando para turmas de Jornalismo em três instituições da cidade de São Paulo, compartilha momentos pessoais e profissionais para uma de suas turmas da FIAM-FAAM.


De Juquiá-SP, Trigo escrevia para o jornal do colégio em que estudava. Sendo um sucesso, despertou seu interesse pela área. Aos 19, Trigo, com o intuito de estudar, muda-se para São Paulo, no bairro da Consolação. Começa a graduação em Administração, mas, abandona no 5º semestre. Em Jornalismo, se encontrou. Seguindo seu lema de trabalhar com o que te faz feliz, colaborou para o Jornal Tribuna de Santos (SP) por dois anos e na Folha de São Paulo por mais 20 anos aproximadamente. Nunca ficou desempregado, sempre recebeu convites.

Em sua carreira jornalística, conta que passou por várias situações como frequentes ameaças de morte a ele e sua família por conta de matérias produzidas. Trigo foi casado por 30 anos e tem duas filhas. Hoje, disse que está feliz por ter escolhido a área da comunicação e sente-se lisonjeado sempre que adentra uma sala de aula.

Aos seus alunos, dá conselhos sobre o mercado. É concorrido entre redação e assessoria (onde acredita que 80% dos alunos desenvolverão uma função). Para ele, redação é fantástica e uma grande experiência.

Recém habilitado em motocicleta, tem planos de comprar uma Harley-Davidson e deixa um recado, "Não estou no Tinder".

Esse Texto Precisa de sua Imaginação #9

Paredes brancas. Uma janela de vidros lacrados toma conta dos lados. No início, carteiras enfileiradas que aos poucos se aproximam ou se afastam, dependendo que quem as ocupam.

Estudante chegam. Alguns apressados, outros cansados. Conversas em baixo tom. Fones de ouvido a todo volume. Grupos começam a se formar e os acontecimentos daquele dia são compartilhados.

A ânsia aumenta conforme o momento avança. Uma olhadela no relógio e outra na porta de madeira em tom de marfim escurecido, enquanto aguardam o professor adentrar. Uns esperançosos para que isso não aconteça tão breve, outros impacientes. Já se passaram dois minutos das 19:00.

Distraídos, um silêncio repentido. O professor chegou. Boa noite!

Mochilas são abertas e materiais são postos às mesas. Os olhares se voltam à lousa. A aula começou.

Crônica: Rotina #8

Segunda-feira preguiçosa. A ressaca moral do final de semana toda plena na consciência. A ressaca moral, o arrependimento, argh! Tudo isso junto. Toda semana é a mesma coisa. Conforme os dias avançam, a ansiedade pelo final de semana dispara. Segunda e terça são dois dias que não merecem comentários. Quarta tem feijoada e já deve ser respeitada apenas por isso. Tem futebol também, um plus para quem aprecia.Quinta é pré-sexta, mas, sexta-feira, meus amigos, esse sim é o dia. No transporte, todos falantes. No trabalho, além de falantes, poucos levam as coisas a sério, postergando decisões só para a próxima segunda. Planeja-se o final de semana. Passeios, bares e compras. Altas mensagens com os amigos: "vamos marcar", "topo!", "só vâmo". A noite chega, o cansaço bate e o caminho para casa parece mais perto que o bar da esquina. Opa, arregão! Calma, ainda tem o sábado. A manhã do dia seguinte chega. Tudo tranquilo nesse momento. Bora assistir um episódio daquela série. Pronto! Nove horas da noite. Caramba, Netflix! Pede-se uma pizza, come-se, ajeita-se no sofá e apaga. Domingo, pré-segunda, já foi. Foi-se o planejamento, foram-se as mensagens. Foi. Sobram-te o filme da Globo e a Dança dos Famosos. Lamenta-se silenciosamente.

Segunda-feira preguiçosa. A ressaca mornal do final de semana toda plena na consciência.

A Situação da Leitura no Brasil #7

A leitura é a principal fonte de conhecimento. Não existem argumentos contrários. O hábito de ler um texto, seja ele em sites de notícias, nas televisões dos transportes públicos ou em uma rápida passagem na frente de uma banca de jornal, contribui para o intelecto humano e suas relações interpessoais. Essa cultura na sociedade brasileira, não está indo bem.

Um professor do curso de Jornalismo informou a sua turma que, 30% dos brasileiros nunca leram um livro. O restante do levantamento, aponta que é lido, em média, 1,8 livro por ano. Na Europa, esse número sobe para 7. Essa falta de interesse reflete diretamente na capacidade do desenvolvimento do Brasil. A causa disso está distribuída nos diversos problemas estruturais do país, principalmente na educação precária da rede pública. Não há encorajamento para a prática da leitura.

Esse cenário não é novo, é quase que hereditário das gerações, da mesma forma que a administração do país persiste de um mesmo grupo eleições após eleições. A mudança política que hoje acontece e que esperamos que se efetive, pode, com o tempo, alterar esses índices que insistem em nos acompanhar.

Uma Mudadinha de Leves Por Aqui #6

A partir de hoje, vou escrever aqui os textos que produzo na faculdade. Meu professor José Alves Trigo da aula de Técnicas de Redação, faz nós, alunos, produzirmos textos de vários tipos todas as semanas.


Enfim, é portfólio que fala, né?

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Fazendo um Resuminho da Minha Vida #5

Uma das sensações mais gostosas que tenho, é quando me dá vontade de escrever. Praticamente todas as vezes que isso acontece, eu deixo a preguiça ganhar, mas hoje não, hoje eu vou escrever e ninguém vai ler.

De uns tempos pra cá eu resolvi pensar mais em mim. Eu sou do tipo de pessoa que prefere ver o outro bem do que a mim, tendeu? Então, eu resolvi mudar isso, mas as coisas não ficaram tão bem, viu?

Eu quase perdi uma amizade no meio do caminho. Na verdade, eu acho que perdi parte dessa amizade, mesmo depois de "ficarmos bem". Todos temos sempre que nos colocarmos em primeiro lugar, mas tem que ser do jeito certo e isso muda de mim pra você. Eu estava vivendo um momento legal, com umas amizades legais, me deixei levar, pensei que estava por cima, me dando bem e tudo mais, só que não. Restaram vários nadas daquela semana e quase nada de um todo que eu tinha antes (referência aquela amizade lá).

Eu aprendi que o tempo ajuda a curar, então, sugiro que faça o mesmo, mas sabia que as mentes mudam e as coisas não serão as mesmas pra sempre. Talvez não é que eu tenha perdido, talvez mudamos, mas estávamos tão distantes que não percebemos.

Tive uma conversa muito foda com meu chefe essa semana e que me ajudou bastante em clarear as ideias, mas isso fica pra outro post.

Inté ;)

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Essa é Pra Você... Indeciso #4

Tô aqui sentadinho na minha cama, são 23:57h e decidi escrever um pouquinho. Sabe porquê? Porque eu quis, eu sou indeciso.

A todo momento convivemos com prazos. Prazos do tipo em geral, não vou colocar nada em específico, mas vocês vão pegar o gancho logo mais. Existem pessoas que acabam lidando bem com isso, mas existem pessoas como eu, que é um puta sofrimento porque sou indeciso.

Eu sou aquela pessoa que não sabe se amanhã vai querer fazer a mesma coisa que hoje, que não sabe se amanhã vai querer fazer o mesmo caminho que hoje, que não sabe literalmente o que quer pra amanhã, mas que sabe o que NÃO quer fazer hoje e nem amanhã. É EXTREMAMENTE DIFÍCIL LIDAR COM ESSAS PESSOAS, porque normalmente, a sociedade não é indecisa e com isso, a sociedade não está acostumada com pessoas como nós (já coloquei você junto porque se ficou até aqui, é do bonde). Normalmente também, pessoas como nós tendem a pensar sozinhos, a agir sozinhos, a errar sozinhos e a consertar sozinhos.

Enfim, acho que sou bonzinho demais também.

Já até desisti de publicar esse texto, tá mega confuso, affe.