domingo, 4 de março de 2018

População brasileira é índice dos maus tempos que o país enfrenta

Michel Temer, atual presidente do Brasil, está, segundo pesquisa do CNI-Ibope (Confederação Nacional da Indústria), com seu índice de aprovação em queda pelo quarto semestre consecutivo.

A trajetória de Temer é contraditória. Assumiu o posto de presidente da República após o impeachment de Dilma Rousseff em 2015. Dilma foi acusada de cometer crimes de responsabilidade, quando há infrações no desempenho de seu cargo. Temer, vice, organizou um golpe para tomar o poder. Ofereceu facilidades fiscais para grandes empresas do setor privado e cargos para os políticos da casa. Assim, conseguiu apoio para a cassação e tornou-se presidente.

Durante o exercício de sua função, Temer foi acusado de ser líder de uma organilzação criminosa na Câmara onde arrecadou R$ 587 milhões em propinas. Incentivou também um de seus companheiros (que mais tarde foi seu delator), Joesley Batista, diretor do Grupo JBS, a comprar o silêncio de Eduardo Cunha, deputado aliado que tinha conhecimento de toda a operação. Hoje, Temer está marcado como o único presidente em 128 anos de República, acusado de cometer crimes comuns, que, com manobras, livrou-se das acusações na Justiça. Com isso, apenas 3% das pessoas entrevistadas na pesquisa avaliaram seu governo como ótimo ou bom. Dos 2 mil entrevistados restantes, 77% consideram ruim ou péssimo, 16% como regular e 3% não responderam. Essa avaliação é a pior desde 1989 com o governo de José Sarney, com 7% de aprovação.

Facebook e Google anunciam novos serviços para a internet

A rede social aposta em notícias por assinatura enquanto a gigante das buscas, aposta na popularização da carteira virtual.

O Facebook começou a testar o Instant Articles, sua plataforma de notícias por assinatura. Os E.U.A. e a Europa receberam a novidade na semana passada. O usuário terá acesso a notícias de mídias como Washington Post, The Economist, The Los Angeles Times e The Telegraph. As dez primeiras notícias serão gratuitas, necessitando de assinatura a partir da 11ª. A novidade está disponível para Android e não tem previsão de chegada ao iOS, já que a Apple acredita ter direito a 30% da receita.

Outra novidade do Facebook foi a parceria com a PayPal. Agora, os usuários da rede social podem realizar transferências diretamente pelo Messenger, sem a necessidade de trocar dados bancários.

Aqui no Brasil, a Google lançou sua plataforma de pagamentos, o Pagar com Google. Sua carteira virtual permite o pagamento de compras na internet sem fornecer dados do cartão de crédito. Peixe Urbano, Hotel Urbano, iFood e Magazine Luiza já estão entre os parceiros iniciais.

Cães abandonados são indicadores do desprezo do ser humano

A quarenta quilômetros do centro de São Paulo, a região periférica da Ilha de Bororé ficou mais conhecida como a Ilha do Abandono.

Todos os dias cachorros são abandonados aos montes. Novos, idosos ou doentes, bichinhos que deveriam ser amados passam a viver em torno dos lixos. Moradores se comovem e ajudam como podem, mas são vencidos pelo desprezo dos indivíduos. Carros atravessam a represa pela balsa e despejam os animais sem piedade. Com fome, os cães comem os ossos de outros cães.

Abandono se enquadra nos crimes de maus tratos, porém, infelizmente, não há proteção ou justiça nesse lugar.

Do começo à ascenção, Wagner Moura fala sobre sua carreira

Wagner Moura volta ao tempo para falar sobre sua infância, a ida para a cidade grande, a passagem pela comunicação até seus trabalhos como ator, onde ficou conhecido internacionamente.

Filho de um militar da aeronáutica e doutor em direito, Wagner se mudou para o Rio de Janeiro após a transferência de seu pai. Alfabetizou-se nesse período e relata que sentia-se sozinho, rejeitado pelos amigos. Mais tarde, com 14, 15 anos, começou o teatro de volta em Salvador. Quando o assunto é cinema, Wagner se orgulha e diz que o cinema brasileiro é muito respeitado nos festivais internacionais. Acredita que sua participação em Tropa de Elite foi importante assim como o filme. Assuntos policiais e políticos estão sempre em alta no cinema nacional e em sua visão está correto, pois, é a realidade e precisa ser mostrada. Ainda sobre Tropa de Elite, Wagner discorda dos elogios recebidos pela revista VEJA. "Eu não posso compactuar com uma revista como essa, entendeu? Conservadora, elitista".

No jornalismo, Wagner diz que a faculdade foi legal. Gostava de escrever e a graduação o ajudou ainda mais. Chegou a trabalhar como repórter, mas sentia preguiça de cobrir pauta. Ao falar sobre publicidade, Wagner diz que todos somos consumistas e não vê problema nisso, desde que cada um respeite seu limite financeiro e ideológico.

Rádio, investigação e turismo. Nicholas conta seus sonhos para sua formação.

"Eu sempre fui uma pessoa que gosta de comédia e sou apaixonado por rádio", começa Nicholas Nascimento, 20, estudante de jornalismo, morador da Vila Maria, zona norte de São Paulo.

Seu jeito humilde e acolhedor, remete muito o tipo de profissional que sonha ser, um radialista comediante. Se alegrou ao dizer que é fã de Zé Luiz, locutor do programa Do Balacobaco 2.Zé da rádio 89FM. Inclusive, esse é o local em que sonha estagiar. Zé Luiz é o tipo de profissional que o inspira. Olhando para outras áreas, Nicholas se interessa por jornalismo investigativo e turismo. Em jornalismo investigativo se encontra pelos desafios e apuros da profissão, principalmente em matérias policiais. Em turismo, é apenas apaixonado por viagens, mas não negaria emprego em uma revista. Nicholas diz que não está nessa área por dinheiro. Que apenas encontrar a felicidade.